Finalmente chegou o mais esperado dia, a última jornada do 1º Ciclo de Atualização de Oficiais da Reserva.

O dia amanheceu bonito, um sábado de sol, 27 de junho.

A chegada do General de Exército Ueliton José Montezano Vaz, Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército deu início à recepção dos Generais Heleno, Stoffel, Sergio e Bergo.

O Coronel Fortes, Comandante do Museu Histórico co Exército e Forte de Copacabana, acompanhado do Cel Brum, Administrador do Museu Militar Conde de Linhares, prestou as honras militares regulamentares.

E logo, o Tenente Monteiro os acompanhou até o Gabinete onde esperariam a hora do início da jornada.

Enquanto isso, o auditório enchia com não só os Oficiais do Rio de Janeiro, mas também alguns de fora, de Petrópolis, de Joinville (SC), Belo Horizonte (NG) e Vila Velha (ES).

 

Na hora marcada, as autoridades deram entrada e o auditório, em posição de sentido, os aguardava. O General Montezano cumprimentou a todos e os convidou a sentarem-se.

 

 

Mas logo, todos de pé se perfilaram e entoaram o Hino Nacional Brasileiro. 

 

 

Terminado o Hino, o Tenente Sergio Pinto Monteiro, presidente do Sistema CNOR e organizador do 1º CAOR, pediu permissão e fez uso da palavra.

 

Palestra 1: General Montezano

 

Foram palavras do fundo do coração que a todos deixou emocionados. Afinal, foram dez anos de fraterno convívio com o General Montezano e que, no final do mês, por preceito regulamentar, estará terminando o tempo de serviço ativo deste grande amigo de toda a Oficialidade R/2.

 

 

Lembrou que o General foi o primeiro Oficial oriundo da Arma de Comunicações a alcançar o último posto da carreira...

 

 

Eu mesmo sou testemunha, pois, estava na sua posse como Diretor de Formação e Adaptação, antiga DFA hoje DESMIL, vindo de Brasília, onde o General Montezano disse que suas portas estariam sempre abertas para nós.

 

 

Lembro que num impulso, e sem estar autorizado para isso, participei que estávamos indo para o campo, acampando junto com os Alunos do Curso Básico do CPOR/RJ, e o convidei a nos visitar lá, o que ele aceitou prontamente, e tive de correr ao Comandante (na ocasião o Cel Juliano) informando que me adiantara, para que ele entrasse no circuito.

 

 

E dito e feito. Dois dias depois, o General Montezano estava no campo conosco, na área do Batalhão Tonelero do Corpo de Fuzileiros Navais (na ocasião comandado por outro amigo, o CMG Sousa) e, no almoço que se seguiu a visita, declarou que ainda não conseguira conhecer seu Gabinete e sua mesa, tantos os compromissos.

 

 

O Tenente Monteiro confidenciou que sempre que precisara, o General o Montezano o recebeu sempre na hora e, muitas vezes, em reuniões demoradas.

Ao final, após agradecer todo o apoio e incentivo, inclusive para a realização deste Ciclo de Palestras, sem o que, isto não seria possível, convidou o General a ministrar a primeira palestra.

 

 

Pediu permissão ao General Heleno, pois, disse, todos que saíram da AMAN antes dele, ele presta continência e, sempre simpático, acenou para o fiel escudeiro, Cap Denis, para iniciar a projeção. 

 

 

Vou tentar colocar aqui nestas mal traçadas linhas, um pouco do que o Chefe do DECEx expôs. 

Em todas as palestras vimos como essa transformação afeta também o Exército, onde as tatuagens proliferam e nada podem fazer para barrar. Pelos menos as alturas mínimas para homens e mulheres agora são lei.

A charge abaixo, bem ilustra essa mudança na EDUCAÇÃO do brasileiro.

 

 

O DECEx, como todos sabem é um órgão de Direção Setorial do Exército, no mesmo nível do COLOG, DEC, DGP, COTER, DCT e SEF.

É o órgão responsável pelo futuro da Instituição (escolas militares) bem como o presente (EsAO, ECEME, etc). E tem uma importantíssima (e pesada) missão nesta transformação geral por que passa o Exército Brasileiro saindo da ERA INDUSTRIAL e caminhando para a ERA DO CONHECIMENTO.

Para isso, uma quantidade gigantesca de manuais está sendo escrita e 80% desses conteúdos de algum modo passou por alguma das Diretorias deste fabuloso departamento de Educação e Cultura do Exército.

Esse processo de transformação do Exército passa por mudança de doutrina, preparo e emprego, logística, engenharia, gestão, orçamento e finanças, ciência e tecnologia, EDUCAÇÃO E CULTURA e recursos humanos. 

 

 

 A missão do Exército, que não cansamos de divulgar neste portal, e, portanto, todos sabem, tem na Constituição, Defender a Pátria, Garantir os Poderes Constitucionais e Garantir a lei e a Ordem, e, por Leis posteriores, Apoiar a Política Externa do País, Participar de Operações de Paz (Haiti, etc), e, Cumprir Atribuições Subsidiárias.

Então, a missão do DECEX, podemos dizer que é: PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR e CONTROLAR o Ensino e Pesquisa, os Assuntos Culturais e a Educação Física e Desportos.

 

 

Para isso, conta com as seguintes Organizações Militares subordinadas: DEPEHCEx, DESMIL, DEPA, DETMIL e CCFEx/FSJ.

No nosso caso, oriundos dos OFOR, o nosso Órgão Enquadrante é a DESMil, Diretoria de Ensino Superior Militar.

 

 

A ela subordinada estão: ECEME, EsAO, AMAN (Resende), ESPCEx (Campinas), ESFCEx (Salvador) e ES S Ex (Rio), além de cinco CPOR e 49 NPOR distribuídos em 46 Organizações Militares.

Desses 49 Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva, 25 são da Arma de Infantaria, 4 do Serviço de Intendência, 5 de Cavalaria, 7 de Artilharia, 5 de Engenharia, 1 de Comunicações e 2 do Quadro de Material Bélico.

 

 

Conforme determinação do General Villas Bôas (como disse aqui em sua palestra de abertura), Comandante do Exército, o DECEx estuda abrir NPOR nas capitais que ainda não os tem, como Rio Branco, Porto Velho, Boa Vista, Palmas, Goiânia e Macapá.

E a DESMil ainda estuda a viabilidade em outras cidades como tanto almejamos a reabertura do NPOR do 32 BIL Mth de Petrópolis, menção que fez vibrar a comitiva daquela cidade, liderada pelo seu Presidente, Tenente Clavery.

Isso já basta para mostrar a importância que o Alto Comando vê em sua Reserva. 

 

 

 

Outra boa notícia foi o estudo da mudança do atual CPOR do Rio de Janeiro da favela da Maré para algum lugar mais residencial da cidade, onde se tentou inicialmente na Zona Sul.

Havia três Linhas de Ação:

  1. Zona Sul (Forte de Copacabana ou CEP)
  2. Tijuca (1 BPE x CPOR/RJ)
  3. Vila Militar

Nenhuma mudança ocorrerá antes das Olimpíadas de 2016, esforço sobre-humano centralizado pelo Exército e hoje, como mais viável no momento, seria a LA-3.

Depois mostrou as demais Diretorias e suas áreas de ação, bem como o orçamento do Departamento, sempre crescente desde 2004, mas que, pela crise nacional, este ano sofreu um corte de 3 milhões.

Seria cansativo tentar aqui reproduzir o volume de informação que o General Montezano nos passou em uma hora. Mas acho importante, pela abrangência que tem este Portal no seio da sociedade, descrever as especificidades da profissão do militar, que, pelo visto, a imprensa que critica certos exercícios, ainda não compreendeu (a crítica é minha, Nota do Editor):

  • Disponibilidade permanente
  • Formação específica e aperfeiçoamento constante
  • Proibição de participar de atividades políticas
  • Proibição de sindicalizar-se e participar de greves
  • Princípios rígidos de hierarquia e disciplina
  • Mobilidade: consequência par a família
  • Restrições e direitos trabalhistas (não tem nem hora extra e nem auxílio insalubridade, dentre outros)
  • Dedicação exclusiva
  • Vigor físico e,
  • Risco de vida

Quanto a este último item, o que trona a profissão do militar diferente de tudo o mais é o seu juramento que diz:

“... cuja honra, integridade e instituições, defenderei com o sacrifício da própria vida”.

Somente o profissional militar assume o compromisso de morrer em defesa da Pátria.

Falou muito mais ainda, inclusive sobre a participação e entrada de mulheres tanto na EsCFEx como na AMAN a partir de 2017 mas vamos parando por aqui. Assim que terminou sua apresentação o Chefe do DECEx foi ovacionado pelos presentes e, emocionado,  usou suas palavras o que gravei...

 


Palavras do Gen Montezano

 

Depois desta primeira palestra, descemos para o pátio do Museu Militar Conde de Linhares, para a Foto Oficial do 1º CAOR>

 


Continua em:

 

Palestra 2: General Bergo

 

Palestra 3: General Heleno


 

Ao final foram entregues Certificados de Agradecimento aos palestrantes e foi entoada a Canção do Exército.

 

 

A seguir, todos nos dirigimos para o salão contíguo (D. Pedro I) para um almoço de confraternização. 

 

 

 

 


 

Joomlashack